Nossa primeira alta montanha: Huayna Potosí

Meses de preparação, ansiedade e planejamento. Enfim, chegou o grande dia.

Coração na boca, aquele frio na barriga, aquela incerteza “será que passarei mal, será que a cabeça vai doer sinistramente, será que vou aguentar o frio, será que vou conseguir?”. Em meio a tantos “serás”, de uma coisa tenho certeza: podemos não chegar ao cume, mas será incrível!

Crista-final-do-Huayna-Potosi1-825x548

Cume do Huayna Potosí – Curso de escalada no Gelo no Huayna Potosí – Gente de Montanha

E qual foi a montanha escolhida? Qual seria a primeira alta montanha da lista? O imponente Huayna Potosí, com seus 6.088 m de altitude, muito procurado por iniciantes na alta montanha. Todos os anos, dezenas de brasileiros têm feito o cume.

Por que escolhemos essa montanha? Porque lemos bastante sobre o assunto? Por ser uma alta montanha com uma estrutura bacana para montanhistas? Por não ser “tecnicamente tão complicada”?

Na verdade o que influenciou mesmo foi uma viagem que fizemos em 2015 ao Monte Roraima (veja AQUI o relato). Lá, uma de nossas amigas comentou que tinha o sonho de subir o Huayna Potosí. Então pensamos: que tal sonhar junto com a amiga? Vamos todos? Vamos galera hihihi (aquele risinho de felicidade que você não consegue controlar, cara de quem está arquitetando um plano pra dominar o mundo)! Fica a dica pros amigos: cuidado com as ideias que nos dão, sempre as levamos a sério. Adoramos um “o que vocês acham de irmos a…” Ou então “já conhecem esse lugar?”.

E, assim, começamos a sonhar alto. E como primeiro ato pra tornar o sonho palpável, criamos um grupo no whatsapp, “Potosi + Machu Picchu” (moderninhas). Pois a ideia era já que teremos que tirar férias pra concluir a viagem, então vamos aproveitar ao máximo: que tal aclimatar em Machu Picchu, depois ir na Bolívia subir umas montanhas mais altas e quem sabe finalizar visitando o Salar de Uyuni? Nossa, parecia perfeito. Começamos a planejar. Será que daria tempo? Mas iríamos com quem para alta montanha? É tranquilo?

Na verdade nesse momento comecei a me questionar: TENHO NOÇÃO DO QUE SERIA UMA ALTA MONTANHA? Senti um medo instantâneo no meu coração. Subir quase 3 mil metros foi tranquilo, mas o dobro, que desafio! Pouco oxigênio, zona da morte, necrose das extremidades, dor de cabeça insuportável. Será que consigo enfrentar todas essas variáveis? É isso mesmo que quero pra mim? Tirar férias pra passar perrengue? Podia ir pra um resort na praia. Aí a sua mãe, que assistiu ao filme Everest, pensa: ela vai pro Everest, que medo. Aí seu amigos pensam: perdi uma amiga. Então todos que não curtem essa vibe outdoor tentam te desmotivar, pois pra eles você esta “saindo fora dos trilhos, da rota, seguindo um caminho desconhecido, não faça isso, sua louca”. No início, eu ficava “bravinha” com essas palavras, mas hoje entendo a mensagem subliminar na preocupação de cada um. Só quem “pensa além do óbvio” irá me entender. A natureza é algo surreal, a sensação a cada conquista, cada limite e medo vencido, é inexplicável. O visual, ah o visual. Céu estrelado, estrelas cadentes, via láctea, amigos de montanha. De fato encontrei meu lugar.

Caminho-ao-cume-do-Huayna-Potosi1-825x548

Curso de escalada no Gelo no Huayna Potosí – Gente de Montanha

Então, comecei a me informar mais sobre alta montanha. No meio dessa busca por conhecimento, um dia a Ana comentou sobre uma pessoa chamada Maximo Kausch. De quem eu nunca tinha ouvido falar. Foi só colocar o nome dele no Google e pááá, milhões de reportagens, recordes, entrevistas.  Pensei, uau. Poucos dias depois, comecei a seguir uma página no Facebook que tinha umas fotos incríveis, o Gente de Montanha, e de repente não é que eles postam um vídeo justamente sobre um curso de gelo no Huyana Potosí. Seria um sinal? E olha só, quem estava no vídeo? Quais seriam os guias? Ele, o Maximo Kausch e o Pedro Hauck, duas figuras que passamos a admirar muito. Na hora falei com as meninas, e aí vamos? Nossa chance de ir a um lugar incrível com pessoas incríveis e experientes. Eles não vão deixar a gente morrer na montanha. Foi então que o grupo de whatsapp ferveu. Nossa, vamos mesmo e vamos com o Maximo e Pedro hihihihi (mais uma vez aquele risinho).

Antonio-Amaral-e-Fabio-brito-treinando-transito-glaciário3-825x619

Curso de escalada no Gelo no Huayna Potosí – Gente de Montanha

Mandamos e-mail e recebemos o valor do curso. Em dólares. Se for isso mesmo teremos que postergar a viagem a Machu Picchu e Salar de Uyuni para uma outro momento. Vamos mesmo? Daremos um jeito pra pagar, combinado? Trabalharemos muito pra isso! E em um estouro de felicidade decidimos de fato partir pra esse imponente desafio. Sabe quando você fica rindo sozinho(a)? Era exatamente assim que estávamos! Na verdade ainda estamos assim rsrsrs! Incrível como esse sentimento está sempre presente. É a magia das montanhas.

Porém, alguns contratempos foram acontecendo e… algumas desistências… MEU DEUS! Só sobrou eu! As amigas não poderão ir mais. E agora? Desisto também e vou em outra época com elas? Nesse momento fiquei sem saber o que fazer, dividida. Foi então que decidi perguntar ao “Oráculo”, vulgo minha mãe, da seguinte forma: – Mãe, a Ana não vai mais…dependendo do que ela responder, eu também desisto. Aí pasmem, o oráculo me responde o seguinte: – Que pena! E ela ficou triste que não vai mais? Eu ainda sem respirar, pois já tinha visto a imagem dela se descontrolando na minha frente, tentando me fazer desistir, quase proibindo a ida. Era a desculpa perfeita. Mas não, ela continuou lavando a louça tranquilamente. Então pensei, criei coragem e decidi, EU VOU!

A cada decisão, mais um frio na barriga. Putz, e agora? Preciso carregar pneu na praia pra aguentar o tranco? Será? Nessa hora, as amigas fizeram toda diferença. A cada treino coletivo eu escutava: “não desiste não porque a Bolívia tá chegando”, ou então “tá cansada hoje? Continua, foca na Bolívia”. Cada montanha, trekking, escalada, pedal era “foca na Bolívia”.

Chegando-ao-glaciar-baixo1-825x550

Curso de escalada no Gelo no Huayna Potosí – Gente de Montanha

Fizemos a Travessia da Serra Fina, totalmente autoguiada e trouxemos na bagagem um grande aprendizado. Fomos em 5 mulheres e carregamos todo equipamento nas costas. Navegação, logística, tudo por nossa conta. Que sensação gostosa ao concluir a trilha, sensação que realizamos algo incrível. E ainda tivemos força para curtir um festival gastronômico regional ao final da travessia. Nesse dia lembrei da primeira vez que subi o Pico da Bandeira, apaguei na volta pra casa, acabada. E agora, tenho forças pra ir em um festival pós trilha. Uau! Como evoluímos.

Fizemos um curso de escalada em rocha pra melhorar a nossa técnica. A primeira vez que subi as Prateleiras no PARNA Itatiaia chorei de medo, passamos por um trecho bem exposto e o guia comentou: – Cuidado, quem cai aqui não morre, vai parar em Machu Picchu. Passei tremendo, agarrada igual um lagarto na pedra (cheguei no cume sangrando) e quando vi que consegui, chorei de emoção, de medo, nem sei explicar. Só sei que toda vez que alguém comenta esse nome “Prateleiras”, meu coração gela. Contudo, agora, conhecendo melhor as técnicas de escalada, entendendo como segurar em uma agarra, sabendo como utilizar uma corda, talvez eu chore só de emoção. Talvez eu chore no glaciar da Bolívia. Já pensei muito nisso. Sim, tenho medo de altura. Mas não vou desistir fácil. Estou trabalhando bem meu psicológico para isso. A montanha é quem decide as coisas, mas no que depender de mim, Huayna Potosí tô chegando!

 

Bruno-novarino-escalando-parede-vertical-de-gelo-foto-de-paula-kapp1-825x619

Curso de escalada no Gelo no Huayna Potosí – Gente de Montanha

Hoje, cada vez mais perto do início do curso, recebi um e-mail. Somos 24 inscritos e deste total, apenas 6 mulheres. Pera, apenas? Que nada! Esse número tem aumentado cada vez mais! Para as montanhas e avante, mulherada!

O curso de escalada no gelo começa no dia 19 de Julho/2016 e finaliza no dia 31 de Julho/2016. Para aclimatação subiremos primeiro o Chacaltaya, em seguida faltemos o curso de escalada no gelo no glaciar próximo ao acampamento base do Huayna Potosí e pra fechar com chave de ouro, tentaremos chegar ao cume. No total, 13 dias de curso.

Enfim, mochila pronta, cabeça no lugar, expectativa a mil. Se eu estou aqui hoje, encarando a minha primeira alta montanha, será mole pra você também! Que esse relato sincero o motive a ir.

Fiquem de olho no Snapchat (@elasmochilando) e torçam por mim.

Equipamentos e insumos - Huayna Potosí

Por ora, aguenta coração, pois tá chegando!

Muito obrigada a todos que estão na torcida pra dar tudo certo :))

 


HUAYNA POTOSI:

Localização: Bolivia, a 25 Km da capital La Paz, a capital “mais alta”do mundo com 3.640 m.

Altitude: 6.088 m

O Huayna Potosí faz parte da Cordilheira dos Andes e une a linha da Cordillera Real ao maciço de Mamacora Taquesi e do Condoriri por uma cadeia de picos menores.

O percurso de subida mais comum (face leste) passa por geleiras, fendas e subida íngreme até o cume. É possível concluir a ascensão em duas etapas, uma em cada dia (dependendo de uma boa aclimatação, claro). Existe um acampamento base (a 4.750 m) e um acampamento alto (a 5.200 m). Do topo, se você pegar o tempo aberto, é possível visualizar a Cordilheira Real, Lago Titicaca, La Paz.

Nosso-Refúgio-base-a-4730m

Refúgio Acampamento Base // 4.730 m – Curso de escalada no Gelo no Huayna Potosí – Gente de Montanha

Do outro lado da montanha, na Face Oeste, existem rotas de ascensão bem mais difíceis bem como na face Noroeste. Porém, devido a variações no intemperismo, geleiras de todo o mundo tem recuado. O mesmo acontece na Bolívia, até a via mais comum tem tornado-se cada vez mais difícil. 

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Vias descritas no site: www.boliviaclimbinginfo.org

O Huayna Potosí é conhecido por alguns como: uma das montanhas de 6.000 m mais fáceis de se chegar ao cume. Talvez essa afirmação leve em consideração o fato do ganho altimétrico acumulado até o cume ser inferior a 1.400 m, ou mesmo o fácil acesso a partir de La Paz. Porém, quem decide se você chegará ou não ao cume “é a montanha”, por isso, não subestime a montanha.

 

FONTE:

www.boliviaclimbinginfo.org

wikitravel.org/en/Huayna_Potosi

pt.wikipedia.org/wiki/Huayna_Potos%C3%AD

rumos.net.br

 

RECOMENDAÇÃO DE LEITURA:

 

Thais Tovar

Thais Tovar

Nasceu em 1986 no Espírito Santo e morou 10 anos no coração da Floresta Amazônica. Formada em Ciências Biológicas e trabalha com monitoramento ambiental. Sempre levou uma vida "padrão" e previsível. Porém, em meados de 2013 foi apresentada ao incrível mundo outdoor. Desde então, tem dado pequenos passos envolvendo preparação, aprendizado e determinação, em direção à próxima aventura.
Thais Tovar

8 Comentários

  • Maria José Cadete Morais

    Parabéns pela determinação, sabemos o nosso limite, que todos os sonhos se realize, desfrutando cada momento rumo ao cume, segue com fé, ficamos na torcida e aguardo de noticias, me sentindo representada. 😘

    • Ei Maria José! A cada montanha mais um desafio, mais uma superação. Muito obrigada pela torcida, vocês foram fundamentais nessa conquista 😉 aqueceram meu coração rsrsrs Muito orgulho em poder representar a mulherada nas montanhas! Grande beijo :*

  • Paula Figueiredo

    Parabéns!!!!! Quero ler todos os relatos depois!!!! Incrível! Só deer seu post já fiquei empolgada! Enviando energia positiva!!! Gostaria de saber onde fez o curso de escalada. Tenho muita vontade de me aprimorar no montanhismo!

    • Thais Tovar

      Eiii Paula!! Vamos escrever os detalhes em breve! Fiz o curso com o pessoal do GENTE DE MONTANHA! super recomendo, ainda mais se você está querendo aprimorar o montanhismo rsrsrs você aprende muitas técnicas bacanas pra usar em qualquer alta montanha! Grande beijo e obrigada pelo carinho 😉

  • Gisele

    Parabéns pela determinação. Vi q deu tudo certo.
    Legal ver no relato sobre sua mãe. Eu sempre me pergunto: “Será q as mães destas meninas não ficam preocupadas com estas aventuras?” hahaha… mas mãe é mãe, mesmo preocupada sabe dos sonhos de seus filhos.
    E as Prateleiras dá medo sim, viu? Subi o Agulhas Negras de boa, mas nas Prateleiras minhas pernas tremiam. O psicológico ficou abalado, rsrs. Mas cheguei ao cume e valeu a pena.
    Parabéns! Bjs

    • Thais Tovar

      Kkkkkkk Gisele! Demorou mas nossas mães estão começando a entender melhor nosso amor pelas montanhas rsrsrs elas ficam com o coraçãozinho apertado, tadinhas! olhaaaa, eu sabia que as Prateleiras não tinha sido difícil só pra mim, me conforta ler isso rsrsrs! Cheguei ao cume e estava tudo nublado acredita?! Mas não sei se volto não kkkkkkkkk grande beijooooo e nos vemos nas montanhas =*

  • Annah

    oi, eu e minha mãe queríamos fazer essa escalada mas nunca escalamos nada. Será que dá?

    • Thaís Tovar

      Oi Anna! O Huayna Potosi é bem alto, chega a 6.088m. Mas pra chegar ao cume não precisa de escalada, apenas do trekking. Seu objetivo seria de fato uma escalada no gelo? Fiz o curso de escalada em gelo na época que fui pra Bolivia e essa atividade exige certa força física. Se vocês estiverem determinadas e tiverem um bom condicionamento, vai dar tudo certo 🙌🏼

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *