Travessia Petrópolis x Teresópolis em fotos

A TRAVESSIA MAIS CHARMOSA DO BRASIL

Quem se interessa por montanhismo no Brasil certamente já ouviu falar da Travessia Petrópolis x Teresópolis, ou simplesmente ‘Petrô-Terê’. Ela é feita no Parque Nacional da Serra dos Órgãos – Parnaso, uma área natural que tem a maior rede de trilhas do Brasil. Contando todas as opções, que vão desde trilhas suspensas até a travessia famosa, são mais de 200 Km de possibilidades.

Essa é uma das trilhas mais cobiçadas pelos montanhistas do Brasil. Mesmo quem já a fez repete de vez em quando. E não é à toa: ela é considerada por muitos como a mais bela do Brasil!

Em fotos, aqui vai um pouco do que você poderá ver:

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Distância percorrida: cerca de 30 Km

Tempo médio de duração: 3 dias

Desnível máximo em um dia: 1.100 m de ascensão

Altitude máxima: 2.275 m na Pedra do Sino

Sentido tradicional: de Petrópolis a Teresópolis (sedes do parque)

Pernoite: em camping (apenas nos pontos permitidos pelo parque) ou nos abrigos de montanha

Melhor época do ano: do outono à primavera (no verão há possibilidade de chuvas e tempestades de raios).

 

GUIA

Quando fizemos a Travessia Petrópolis x Teresópolis fomos de forma independente, sem guia. No entanto, na oportunidade, conhecemos o Guia Geovane Rento, um dos melhores da região. Apesar de não o termos contratado, ele nos deu várias dicas sobre onde ir na montanha, quais trilhas secundárias fazer, em que horário acordar para ver o nascer do sol. Enfim, ele é um verdadeiro amante da montanha e é muito generoso ao compartilhar um pouco do imenso conhecimento que tem. Tem muita experiência e conhece tudo ali como a palma da mão.

Por tudo isso, ele é o guia que indicamos caso você esteja interessado na travessia.

Guia: Geovane Rento

Telefone: (24) 98814-3937 / (24) 2010-1919

Whatsapp: (21) 99854-3742

 


 

E aí? Quem anima?

Anazélia Tedesco

Anazélia Tedesco

Anazélia Tedesco tem 28 anos, é bióloga, dedica-se à restauração de florestas como trabalho e ao montanhismo como lazer - a união dessas duas coisas define seu estilo de vida. Sua história com as montanhas começa em Pancas, a terra do Pontões Capixabas, onde nasceu. Mais tarde, conheceu os trekkings de longa distância e as tradicionais travessias e, desde então, não parou mais.
Anazélia Tedesco

Últimos posts por Anazélia Tedesco (exibir todos)

16 Comentários

  • maravilhoso pra quando eu estava com 20 anos!!!

    • Ahhh, sempre dá pra fazer pelo menos uma partezinha, né Nelson? =) Se você fizer o sentido inverso, subir de Teresópolis em direção a Petrópolis até a Pedra do Sino pode ser mais fácil. A trilha é mais larga e em curva de nível na maior parte do caminho.

  • Anderson Krüger

    Show….
    Tenho interesse em ir no Parque Serra dos Órgão, mais ainda não pra fazer essa travessia. Porém, quem sabe um dia!
    Curti demais. O blog está ótimo.
    Abraço

    • Valeu, Anderson! Faz o que sugeri pro Nelson aqui acima: Trilha da sede em Teresópolis até o Abrigo 4, aos pés da Pedra do Sino. Do abrigo pra Pedra do Sino é bem perto, fácil de fazer. É uma boa subir pra pernoitar na montanha. Recomendo mesmo.
      Abraço

  • Felipe Ferreira

    Bom dia,

    Muito bom o relato de vocês. Continuarei acompanhando os relatos e dicas, principalmente das trilhas pelo Rio de Janeiro. Esta deixarei mais para frente mas a da Pedra do Sino em breve irei fazer para ver o por e nascer do Sol.

    Parabéns pelo blog.

    • Bom dia, Felipe! Obrigada! Não foi bem um relaaato…rs Infelizmente já faz um tempinho que fomos e não tínhamos como lembrar de detalhes suficientes pra fazer um relato pra vocês. Mas ainda vai rolar…esperamos voltar e dar dicas mais específicas pra quem quer fazer a travessia. Sobre a Pedra do Sino, com certeza também vale a pena fazer só esse trecho. O nascer e o pôr do sol lá são demais!
      Abraço e obrigada novamente

  • Que lindo! O “cavalinho” parece tão fácil pela foto, né? Na hora dá um medãooo!!!

    Lindas fotos. Bjos

    • Demais, né, Rafa? O cavalinho, o mergulho e até o elevador foram de dar medinho ou medão na época. Não expliquei direito nesse post, mas numa foto no Instragram contei brevemente a história. Na época – há dois anos apenas hehe – fomos sem saber nada de montanhismo (só tínhamos subido uma vez o Pico da Bandeira) e fomos descobrindo durante a travessia tudo que NÃO tínhamos levado e os obstáculos a superar kkkk. Claro que não indico que ninguém faça assim, mas valeu o aprendizado e a superação.
      Bjos

  • Claudiane Alves

    Sensacional… Quero ter a oportunidade de fazer essa travessia…
    Thais quero as dicas todas…
    Parabéns pessoal pelo belo passeio e força e determinação!

  • Nivaldo

    Poxa Ana, só sai em uma foto! kkkkk

  • luiz carlos

    lindas fotos meu sonho e fazer essa trilha . ja fui varias vezes no pico da bandeira.tenho medo de nao aguentar..

  • Estou amando o blog de vocês, parabéns! – e com invejinha (da boa, vai) por não ter amigas assim kkkk Sempre gostei de montanhas e de caminhar por elas, mas a vida nos afastou e agora, com 40 e muitos anos, elas me chamam assim como o mar chama a Moana. Estou louca pra fazer essa trilha, mas não sei se consigo… As fotos de vocês ajudam bastante a entender como é, mas falta um relato pra saber qual era a condição física de vocês. Precisaram de algum preparo?

    Há 2 anos fiz um trecho da trilha W em Torres del Paine e foi bem desgastante – foram 10 km com nível entre médio e alto, mas foi um único dia, então os músculos descansaram depois. Convido vocês a lerem meu relato (https://mulhercasadaviaja.com/2015/03/10/torres-del-paine-sangue-suor-e-beleza/)

    Aguardo reposta, por favor. Que delícia encontrar mulheres assim!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *