Pontões Capixabas - Pancas/ES. Foto: Everton Gonçalves

Roteiro imperdível nos Pontões Capixabas: Pedra Camelo

Uma cidadezinha tranquila, ainda não acostumada com o turismo e, incrivelmente, um paraíso natural a ser explorado! Burle Marx, paisagista internacionalmente renomado, em vários dos seus relatos, descreveu o vale de Pancas como uma região que o deslumbrou por sua beleza singular. Quase 80 anos depois da primeira visita dele aos Pontões Capixabas, embora bastante coisa tenha mudado, muita gente ainda se surpreende com essas paisagens.

Mais recentemente, a partir dos anos 2000, a cidade tem atraído montanhistas do mundo inteiro. Há pouco tempo, uma comitiva da República Tcheca desembarcou no ES especialmente pra conhecer Pancas e abrir umas vias de escalada por lá.

Eu, que sou filhote de Pancas, não quero ficar pra trás, né? Nasci e passei minha infância e adolescência lá. Quando a brincadeira estava começando a ficar boa e eu estava partindo pra descobrir melhor o lugar, minha família se mudou. Na primeira oportunidade de partir pra lá novamente, lá fui eu! O roteiro era a ascensão da Pedra Camelo, símbolo de Pancas.

A viagem foi em grupo, organizada pelos Aventureiros do Espírito Santo – AVES, um grupo independente que reúne pessoas interessadas em aventura, principalmente na região da Grande Vitória. Esse grupo é uma das muitas respostas que temos pra pergunta: Como vocês se organizam pra fazer essas viagens? Para Pancas, assim como para outros destinos que vocês verão por aqui, é o Aves que nos faz “voar cada vez mais alto”.

 

DIA 1

Agora, de volta à viagem. Saímos de Vitória em direção ao noroeste do ES, onde ficam os Pontões Capixabas. Partimos no sábado de manhã, entre 7 e 8 horas da manhã, em vans, carros e motos particulares. O acesso se dá pela BR-101, em seguida pela BR-259, passando por Colatina e por fim ES-080 e ES-341. O trajeto todo tem cerca de 190 Km. Com calma, esse deslocamento dura 3 horas. Foi mais ou menos o que fizemos.

Embora a gente tenha feito como descrito acima, há outras opções. Descrevemos algumas delas abaixo em ‘Como chegar’.

Um pouco antes da entrada de Pancas já é possível ver o nosso objetivo. Dessa perspectiva, a Pedra Camelo não se parece nada com um camelo, hehehe. Mas se lembre dessa imagem, porque mais a frente você vai se perguntar como é possível fazer uma trilha até a ‘cabeça’ do camelo. E essa foto explica bastante coisa.

Pedra Camelo - vista posterior - Pancas/ES

 

A grande dica vem agora. A trilha até o cume da Pedra Camelo pode ser guiada pelo anfitrião do Sítio Cantinho do Céu, Fábio Eggert. Então, ligue com antecedência e agende essa subida. Além de guiar a trilha, o Sítio também oferece serviço de camping e tem boa estrutura.

Para chegar ao Sítio basta perguntar pelo Córrego Palmital. À direita, na margem da estrada haverá uma placa indicando uma estrada de chão. Depois de pegar essa entrada, basta ficar de olho até ver a placa abaixo, que indica a entrada do sítio, à esquerda da estrada de terra.

Sítio Cantinho do Céu - Pancas/ES

 

Chegamos por volta de meio dia e montamos acampamento.

Sítio Cantinho do Céu - Pancas/ES. Foto: Tatyane Sarmento

 

Esse camping fica entre pés de jambo. Dias antes, quando o organizador esteve lá para ajustar os detalhes da viagem em grupo, o visual era esse:

 

À tarde, ainda no primeiro dia, aproveitamos para conhecer a Pedra da Colina, de onde saltam os praticantes de voo livre e onde ficam os mirantes mais visitados da cidade. A subida é íngreme, mas sem chuva qualquer carro sobe tranquilamente. No mirante, as montanhas estavam encobertas pelas nuvens. Mas mesmo assim tava lindo!

Pedra da Colina - Pancas/ES

 

Num dia de sol, o mar de montanhas fica todo à vista e não tem quem resista a essa paisagem.

Mirante da Pedra da Colina - Pancas. Foto: Everton Gonçalves

Mirante da Pedra da Colina - Pancas. Foto: Everton Gonçalves

 

DIA 2

No segundo dia, a nossa missão era subir a Pedra Camelo, o objetivo principal da viagem. Não é à toa que ela é o símbolo da cidade. O contorno do corpinho do camelo rende boas fotos, de dia ou de noite. Desse ponto de vista parece impossível atingir o cume, mas do outro lado da pedra o acesso é facilitado (lembrar daquela foto lá de cima).

Saímos não tão cedo do acampamento, pois o tempo estava fechado e nossa esperança era que ele abrisse aos poucos. Bom, isso não aconteceu (risos!). E quem disse que mochileiro desanima? Fomos para trilha do mesmo jeito, dessa vez com emoção!

Em muitos trechos foi preciso apoio com corda para permitir avançar na trilha. Tinha chovido no dia anterior e a pedra estava bastante molhada. A trilha dura em média 4 horas, considerando ascensão, tempo no cume e retorno.

Trilha do Camelo - Pancas/ES. Foto: Everton Gonçalves.

Essa foto ilustra bem a vista que tivemos do cume da pedra: poucos metros além do próprio pé.

Cume do Camelo - Pancas/ES. Foto: Eduardo Rangel

 

Sem vista do cume, a vista mais bonita era essa, o grupo todo junto!

Cume do Camelo - Pancas/ES. Foto: Everton Gonçalves

 

Lição aprendida: nem o tempo nublado pode frustrar a trilha se o lugar for incrível e a companhia boa. Claro, é preciso levar em conta a experiência e avaliar se é possível prosseguir – a segurança vem em primeiro lugar.

A trilha de subida pro Camelo rendeu boas emoções mesmo aos aventureiros mais experientes, ao mesmo tempo em que os menos experientes, com paciência, também conseguiram passar por todos os trechos, mesmo os mais complicados. Os anfitriões do Sítio Cantinho do Céu, ao contrário de outros potenciais pontos turísticos da cidade, estão muito bem preparados para receber turistas e nos passaram muita segurança durante o percurso. Esses têm o selinho de qualidade do Mochilando com Elas e estão mais que recomendados!

 

COMO CHEGAR?

A partir de Vitória

Saindo de Vitória são três opções. Ou seja, sem desculpas pra quem é de fora do ES. Dá pra ir de avião até Vitória e de lá partir rumo aos Pontões Capixabas:

  • De carro até Pancas: via BR-101 e BR-259 são 190 km em cerca de 3 horas.
  • De trem até Colatina: R$ 21,00 pela Estrada de Ferro Vitória-Minas, saindo de Cariacica, na região metropolitana de Vitória; e de Colatina de ônibus até Pancas: R$ 13,00 pela Viação Pretti. Olhe os horários com calma, pra garantir que não haja desencontros entre a chegada do trem e a saída do ônibus.
  • De ônibus até Pancas: R$ 40,00 pela Viação Águia Branca

A partir de BH:

Essa opção é mais inusitada, mas também mais econômica e pode ser levada em conta por quem tem espírito aventureiro:

 

Para indicar melhor o caminho exato até o Sítio Cantinho do Céu, adicionei um mapa ao fim do post.

 

CUSTOS

Taxa de camping: R$ 25,00

Guia para a ascensão da Pedra Camelo: a depender do número de participantes. Como fomos num grupo grande, o valor foi de R$ 20,00 por pessoa.

Almoço: R$ 15,00. É preciso verificar disponibilidade com o Sítio Cantinho do Céu.

 

SÍTIO CANTINHO DO CÉU

Serviços: camping e trilha guiada ao cume da Pedra Camelo.

Contanto - Sítio Cantinho do Céu

 

AMO PANCAS

Várias fotos desse post são de autoria do Márcio Carreiro. Ele mantém o site Amo Pancas com informações sobre Pancas. Dá para ver ainda mais paisagens bonitas lá!

 

 


 

Anazélia Tedesco

Anazélia Tedesco

Anazélia Tedesco tem 28 anos, é bióloga, dedica-se à restauração de florestas como trabalho e ao montanhismo como lazer - a união dessas duas coisas define seu estilo de vida. Sua história com as montanhas começa em Pancas, a terra do Pontões Capixabas, onde nasceu. Mais tarde, conheceu os trekkings de longa distância e as tradicionais travessias e, desde então, não parou mais.
Anazélia Tedesco

Últimos posts por Anazélia Tedesco (exibir todos)

4 Comentários

  • Cheguei ontem de Pancas e se eu não visse as fotos não acreditaria que é possível usar agasalho naquele lugar, rsrs. Pancas estava um caldeirão! um calor insuportável.
    Fui conhecer Pancas mas não fiz caminhada devido o calor. A última pessoa com quem conversei lá foi o Fabinho e ele falou do seu blog. Parabéns!

    • Marcelo, se eu não tivesse nascido em Pancas e tivesse ido só nesse dia relatado no post também não acreditaria que lá fica quente como um caldeirão! Mas o pior é que fica mesmo! rsrs De qualquer forma a cidade é muito bonita, melhor ainda se a vegetação estiver verde. Você tomou a decisão certa de não subir devido ao calor. Melhor ir num dia mais fresco e sair cedo, pra não pegar o sol de meio dia. O Fabinho é um ótimo guia pra subida à Pedra Camelo, vale a pena voltar e conhecer.
      Obrigada pela visita na cidade e aqui no blog!
      Abraços

  • Flávia

    Muito boas informações! Foi difícil eu achar conteúdo sobre esse lugar tão lindo. Amei as dicas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *